15 pras 7

Um dos problemas de atualizar o Melancia é que não gosto de colocar qualquer coisa aqui. Talvez por elevar demais o “nível de corte” acabo não postando nada. Por outro lado acompanho vários blogs/tumblrs/etc engraçados que não compartilho aqui, então a solução foi criar um tumblr, o 15 pras 7. O motivo do nome está no primeiro post, que também mostra o nível de babaquices coisas que pretendo publicar por lá.

O Melancia não vai acabar (pelo menos não agora), mas até pelo próprio formato, o tumblr vai ser atualizado com bem mais frequencia, mais ou menos uma vez por dia.

Abs!

Post novo no felipeelia.com.br

Depois de muito tempo fiz meu primeiro post sobre desenvolvimento web no felipeelia.com.br, com algumas dicas para migração de uma solução drupal em um servidor de produção na Locaweb. Tem também uma dica boa pra quem está tendo problemas com o cron, vale a pena dar uma olhada.

Fiquem tranquilos que só vou avisar que postei lá essa vez. 😉 Assinem o rss de lá que vocês ficam sabendo quando tem coisa nova. Aos pouquinhos vou arrumando aquela casa lá e o Melancia vai se livrando do meu lado profissional…

Abraços!

Interlúdio

Então, só pra avisar que não morri. Amanhã é terça e muito provavelmente não terá post novo, mas vou deixar vocês na meditação de algo que certamente ocupará a semana de vocês até o próximo post: Se o Curupira der um moonwalk, ele vai pra trás ou pra frente?

Abraços, senhores!

Na internet nada se cria, tudo se copia – que pena

Voltei a tentar ler meus feeds no Google Reader. Invariavelmente vou direto numa tag de nome “Humor”, onde estão os blogs de tirinhas e de posts engraçados, só pra relaxar um pouco a minha mente,  mas uma coisa me espantou – sim, eu sei que sou garoto por ficar espantado com isso – vários posts repetidos em blogs diferentes. Não eram poucos não, minha gente, eram vários.

Antes de criar este blog eu tinha dúvidas de como sustentá-lo. Não queria ser só mais um, queria ter uma coisa diferente e fazer um blog diferente é bem difícil (não consegui até hoje), mas alguém me contou uma teoria interessante: a dos açougues na mesma rua. Calma que eu explico: falei que queria fazer um blog de desenvolvimento, mas já existiam vários então achava que tudo ficava meio sem propósito e alguém me disse “Mas agora não podem ter dois açougues na mesma rua?”. Depois disso decidi tentar.

O blog não é de desenvolvimento, ou pelo menos não só disso, mas eu tento criar alguma coisa que você não vai ver em nenhum outro lugar. Uma opinião – a minha – sobre fatos do cotidiano, uma ou outra visão engraçada, mas tudo original. Pode não ser bom – nem engraçado, admito -, mas é original.

Se na internet nada se cria tudo se copia estou no lugar errado. Parodiando o Leão Lobo (a que ponto chegamos): Originalidade já.

Boas festas do Melancia – Repeteco

Ano passado fiz um post de Boas festas. Troquem 2008 por 2009, 2009 por 2010 e é o post desse ano também (tirando a parte da crise e da viagem do final do ano).

Fazendo um balanço do ano percebi que devia ter lido o que escrevi na véspera do Natal passado todo santo dia. Fiz muito pouco, progredi muito pouco ou quase nada e me encontrei menos ainda que o habitual.

Enfim, que venha 2010! Boas festas para todos e que o novo ano traga mudanças pra melhor na vida de todo mundo.

ps.: Talvez, quem sabe, ainda tenha mais um post no ano por aqui, vamos ver…

Not For Dummies

Fui convidado a participar de um novo blog sobre desenvolvimento: o Not For Dummies. A proposta do blog não é falar do basicão, é ir além do Hello World. Os profissionais que colaboram lá são gente de renome no cenário tecnológico brasileiro, quiçá mundial! Vale a pena acompanhar.

Not for DummiesNot For Dummies: count(conteudo_do_blog, “Hello World”) = 0;

Minha intenção é postar aqui toda terça-feira e lá quinzenalmente às quintas-feiras.

Ficam logicamente suspensos aqui os posts sobre desenvolvimento (nunca foi o meu forte aqui mesmo).

Abraços e visitem!

Notícias pros leitores e a internet sem fio no Dona Marta

Faz algum tempo que quero escrever, mas acabo desistindo do tema pra manter uma certa linha de raciocínio no blog. Tenho, então, duas notícias pra vocês – uma boa e outra ruim:

  1. A boa é que, provavelmente, teremos mais posts daqui em diante;
  2. A ruim é que vou descer um pouco o meu critério do que postar ou não.

O governo do Estado instalou no Dona Marta (favela aqui do Rio de Janeiro) antenas que fornecerão, de graça, internet para os moradores.

Louvável alguns diriam e é até a impressão que a matéria do RJTV passa, mas [profeta mode=on] nem tudo serão flores [mode=off]. Eu sei que a primeira reação seria achar que eu simplesmente não gosto do pessoal que mora nas favelas, achar que eu sou um preconceituoso e etc. mas não é isso. O fato é que as coisas não se encaixam nesse caso.

Pensem comigo, para acessar a internet não basta ter apenas o sinal, você também precisa de um aparelho: um celular, um pc, um notebook, qualquer coisa mas precisa. É como o rádio: se você não tiver um aparelho que sintonize você simplesmente não usufrui. O pessoal que mora na favela não tem dinheiro certo? Pois é…

Eu sei que até tem morador de favela que tem computador, mas é minoria (ou não?!)! E quem tem grana pra comprar computador tem grana pra manter um 3Gzinho dos mais baratos. Esse dinheiro do governo poderia estar sendo aplicado em obras mais legais, que gerassem inclusão digital de verdade. Fica parecendo que inclusão digital não é o ponto aqui, afinal poderiam ser criadas lan houses com acesso à internet por fio mesmo. Com instrutores todo o tempo monitorando e ensinando quem quisesse aprender.

A bandidagem vai se aproveitar disso, escutem o que estou falando. Mais tarde, quando a notícia no RJTV não for tão legal assim eu vou poder dizer “é, eu avisei…”. E preparem-se para mais perfis no orkut…

Leia-se aqui um bom título para um Meme

Fui convidado pelo @lebravohttp://lebravo.blogspot.com a participar de um meme que além de integrar um pouco mais a comunidade blogueira (nossa, que frase tosca) dá a chance dos leitores conhecerem um pouco mais a vida do autor do blog.

As regras do meme são as seguintes:

  1. Linkar a pessoa que te indicou.
  2. Escrever as regras do meme em seu blog.
  3. Contar 6 coisas aleatórias sobre você.
  4. Indique mais 6 pessoas e coloque os links no final do post.
  5. Deixe a pessoa saber que você o indicou, deixando um comentário para ela.
  6. Deixe os indicados saberem quando você publicar seu post.

Enfim, agora que já cumpri as duas primeiras regras, irei dizer 6 coisas aleatórias sobre mim:

  1. Coordenação motora nunca foi o meu forte. Possivelmente sou o pior jogador de futebol de todos os tempos (rolou proposta do Íbis e tal…).
  2. Morro de medo de abelhas e besouros.
  3. Gosto de todos os tipos possíveis e imagináveis de música (com algumas reservas à sertanejos e pagodes).
  4. Morro de vontade de ter um Wii, mas não tenho nem grana nem tempo pra jogar.
  5. Guerra nas Estrelas pra mim é muito mais que duas trilogias. É uma lição de vida.
  6. Dou um boi pra não entrar numa briga, mas uma boiada pra não sair dela.

Para dar continuidade ao meme, convido os blogueiros (e twitteiros): @pabloalmeida, @israelst, @dexterdumal, @bighi, @designlabs e @garantes. A lista só tem 6 coisas sobre mim, mas deu trabalho.

GTD – Baixando o nível das coisas

Há algum tempo atrás meu amigo/irmão Israel (cadê o MudaDeIdéia, rapaz?) me presenteou com um dos livros que modificou minha vida: A Arte de Fazer Acontecer – Getting Things Done (GTD) do David Allen. O livro traz, entre muitas dicas e técnicas de organização (coisas do dia a dia que você pode fazer de um jeito muito mais eficiente), um conselho básico, mas muitas vezes pouco utilizado, que é sair do alto nível da tarefa e partir para suas partes menores. Um exemplo do livro é a programação de um jantar especial. Se você parar na fase “vou levar fulana/o para jantar” não vai ter jantar. Você precisa partir dessa frase para “o que preciso fazer para levar fulana/o para jantar”, e chegar a tarefas menores como “preciso achar um lugar bom que tenha o que eu quero”, “preciso reservar o lugar”, “preciso ver o caminho”, etc. Para isso você precisa partir da visão do todo – visão essa que reflete o resultado esperado – para cada detalhe. Quanto mais profundo você for melhor e mais fácil ficará o resultado.

Participei essa semana de uma utilização dessa técnica que gostaria de compartilhar com vocês. Estamos formando uma parceria muito boa com o Saulo da HostSH (Linka pra onde, Saulo?) e, em um projeto grande, tínhamos parado em alguns pontos que sabíamos o que era esperado mas não chegamos até o ponto de como ficaria. Revisando cada detalhe descobrimos coisas para nas quais não tínhamos nos aprofundado e, depois de uma super-reunião (duas super-reuniões na verdade), a sensação de caminhada foi enorme. É como trafegar em uma estrada com lanternas e depois ligar o farol alto.

O recado é só esse: saia da abstração que mora no alto nível do que se deseja e vá até as tarefas que você pode executar de verdade.

Mudando de assunto queria dizer que pretendo postar mais esse ano (tá, eu sei que demorei muito tempo pra estrear em 2009) e também convidar mais pessoas para postar aqui (quem se habilita? Quero um post do Israel aqui… vamos ver se sai né?).

Update: links no lugar.