Manifestações populares, impeachment e Eduardo Cunha

Somos reféns de um sistema que sequer entendemos direito. Para hoje já há agendado um panelaço durante o programa do PT e para o dia 16 uma manifestação contra o governo. O impacto direto que estas manifestações públicas tem? Nenhum. Continuar lendo Manifestações populares, impeachment e Eduardo Cunha

Retrospectiva 2009

Esse ano, pela primeira vez, estou com vontade de assistir à Retrospectiva 2009.

Não foi um ano bom pra mim. Foi, com muita boa vontade, razoável e olhe lá. Se o programa fosse sobre a minha vida seria bem chato, com idas pro trabalho ouvindo rádio (BandNews FM, vejam como fico velho) e voltas num metrô apertado com o protagonista se perguntando se era aquilo ali mesmo que ele queria da vida. Não era. Talvez (re)vendo o que aconteceu em 2009 eu veja que pelo menos pro mundo foi um ano interessante.

Não sei como funciona esse programa, não sei se é dividido em meses ou em fatos ou ainda em categorias, tipo “Mortes importantes” e “Escândalos políticos”. De um jeito ou de outro tentei me lembrar o que marcou os noticiários em 2009 e fiz mentalmente uma pequena lista de coisas que eu queria parar de ouvir e não podia. A ordem de exposição é por ordem de aparição na minha lembrança e não por ordem de importância. Não que isso faça muita diferença.

O acidente com o avião da Air France foi o primeiro da lista. Fiz questão de esquecer aquele número do avião (airbus tralalá) que todo santo dia repetiam na minha cabeça, fosse no rádio, na televisão ou no trabalho. Teve o Lula falando que se a gente acha petróleo tão fundo como não acharíamos um avião daquele tamanho. Não achamos.

Teve a crise também. Uma ladainha sem fim, por sinal. O que me lembrou, não sei bem porque, de IPI. Como encheram o saco com IPI! Linha branca, carro, etc. Crise também lembra EUA, que me lembrou Obama que me lembrou que ele ganhou o Nobel da Paz. Deve passar isso na Retrospectiva.

Na categoria “Escândalos políticos” tem o Sarney empregando a família toda. Aliás o termo escândalo é até mal colocado, porque escândalo tem que causar espanto e roubalheira no Brasil não dá em nada – nem em espanto, pelo menos pra mim – faz muito tempo. Teve o caso do Arruda com dinheiro até lá onde o sol não bate (duvida?!) e que – adivinhem – até agora não deu em nada. Nem em panetone.

Nos obituários reinou Michael Jackson e fiquei me perguntando se vão lembrar do Lombardi, do Alborghetti e da Leila Lopes. Aliás eu só me lembrei que o Michael Jackson tinha morrido porque vi no comercial do programa. Teve mais alguém que eu não lembro, com certeza. Vou ficar espantado com esse programa, posso sentir isso.

Teve o cara que roubou não-sei-quem na frente de uma farmácia na Tijuca, não teve? Foi esse ano?! Nem me lembro. Coisas assim passam na Retrospetiva? Nardoni não foi esse ano, mas deve passar alguma coisa. Suzane von Rixksiewstofen idem e aquele cara que (dizem) traçava as pacientes que queriam inseminação artificial também.

Se eu continuar envelhecendo tanto quanto me senti envelhecido – não no corpo, mas na mente, se bem que no corpo… – no final do ano da graça de dois mil e dez estarei assistindo a São Silvestre.

Estatuto da Igualdade Racial

Foi aprovado na câmara há pouco tempo atrás o Estatuto da Igualdade Racial, mais um movimento errado para consertar o preconceito no Brasil.

A proposta é tão ridícula e sem nexo, expõe tanto os negros, que se eu fosse negro ficaria envergonhado. O estatuto define “Desigualdade racial” como “Todas as situações injustificadas de diferenciação de acesso e oportunidades em virtude da raça, descendência ou origem nacional”. Num país como o Brasil é fato que não vai funcionar como deveria. Num país como o Brasil, onde os julgamentos são feitos pelas perspectivas mais estranhas possíveis, uma coisa assim não deveria nem ser proposta. “População Negra é o conjunto de pessoas que se autodeclaram negras ou pardas”, definição que não poderia ser diferente, chega a irritar, afinal eu sou negro. Não sou?! Quem é você pra dizer se sou negro ou não?! Sou negro sim e quero ser protegido por um estatuto que simplesmente isola um determinado grupo e confere à eles determinadas regalias.

As cotas nas universidades felizmente ficaram de fora, mas as cotas nos partidos políticos não. Na UERJ 20% das vagas são destinadas à negros, enquanto os partidos políticos devem ter 10% de candidatos negros. Se a educação pública é uma desgraça que se ajeite a educação pública, enquanto isso adota-se como medida paliativa cota para alunos de escolas públicas, mas o que tem raça a ver com isso?

Algumas coisas ficaram de fora, como “cota para negros em televisão e filmes” e “exigência de o SUS identificar pacientes no atendimento pela raça“. Acreditem, alguém algum dia achou que isso era fazer igualdade.

E que não se venha com o discurso hipócrita de sempre, dizendo que os negros fizeram muito pelo país e, uma vez que foram historicamente massacrados pelos brancos, eles merecem justiça. Isso não é justiça, isso é preconceito, é separação racial. Ao invés de pregar a igualdade estamos ressaltando as diferenças. Eu não sou da elite branca, considerar isso é ter preconceito e, me desculpem a franqueza, mas é ser extremamente babaca.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. Martin Luther King, Jr.

Livre tradução: Eu sonho que um dia meus quatro filhos viverão numa nação onde eles não serão julgados pela cor, mas pelo seu caráter. Sorte dos filhos deles não terem nascido no Brasil.

Notícia completa no g1: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1301785-5598,00.html

Tiradentes e São Jorge, mas e Cabral?

Na próxima quinta-feira, graças a uma lei antes municipal e agora estadual, será feriado no Rio de Janeiro. Dia de São Jorge sabia? São Jorge, grande herói nacional… Não, não… Segundo a wikipedia São Jorge é o santo patrono extra-oficial do Rio de Janeiro. No dia que faltar São Sebastião fica São Jorge no lugar, pelo que eu entendi.

Não me entenda mal, por favor. Eu gosto de feriados, mas acho interessante que eles tenham motivo. E esse feriado especificamente até me incomoda. No dia 21 de Abril o Brasil relembra com saudades seu grande herói Tiradentes e dia 23 o Rio de Janeiro parará por conta da degolação de São Jorge (ele foi degolado, você não sabia?). Só que dia 22 de Abril relembraremos o descobrimento do país, mas trabalharemos normalmente! Como assim, Bial?

praia paradisíaca pra ir no feriado
No dia de São Jorge você vai poder ir à praia. No Dia do Índio não.

Neste ano o feriado do dia 23 vai me incomodar ainda mais, porque ele cai numa quinta-feira, enquanto o do dia 21 será numa terça, ou seja, a maioria das pessoas não vai saber nem que dia enforcar. Será provavelmente a segunda-feira, afinal enforcamento merecidamente tem que estar perto de Tiradentes.

Eu sei que dificilmente o feriado deixará de existir. E também não é isso o que eu quero. Para se fazer justiça neste caso temos que transformar o dia 22 em feriado! É isso! Viva Cabral!

No próximo ano enforcaremos o dia 22, cai numa quinta-feira, fica mais fácil de decidir. Mas e as coisas importantes que estaremos ignorando nos dias 19 e 20? Dia 19 é Dia do Índio. Não deveríamos valorizar os nossos índios? Por que não um feriado? E dia 20 é o dia de São Teodoro. Se pregamos uma sociedade justa e igualitária deveríamos dar um feriado pra ele também, ora. Se São Jorge conseguiu o dele, por que não um pra São Teodoro também? Hein?

Se bem que o dia 20 de Abril é um dia cerimonial do fumo da maconha no Canadá e nos Estados Unidos. No Brasil é mais fácil arrumar um feriadinho por aí. Alô Gabeira! Olhai por nós!

ps.: Gostou? Terça-feira tem mais. É feriado né, mas vamos ver se eu consigo…

E o Obama vence nos EUA!

Não tenho nada pra falar sobre o Obama ter vencido nos EUA, exatamente como o Skylab não tinha nada a falar sobre as baleias.

Achei ótimo o resultado, uma vitória para a democracia, mudança radical em 44 anos nos EUA (os negros nem podiam votar há 44 anos, sabia?), etc., mas prefiro esperar mais um pouco para ter uma opinião.

Presidente americano sabe como é: ou faz na entrada ou faz na saída…

Gabeira perde eleições no Rio – Por quê?

Não era intenção falar de política aqui, mas com o resultado da última eleição preciso desabafar em algum lugar.

O Gabeira perdeu as eleições aqui no Rio de Janeiro porque pouco mais de 55.000 habitantes escolheram o outro candidato, mas porque decidiram votar nele? Um homem que trocou de partido 700 vezes, atacou ferozmente o presidente Lula e depois colocou o rabo entre as pernas e pediu ajuda na campanha merecia ter ganho? Dizemos ganhar mais pontos o candidato mais honesto, mais visionário, mais inteligente… tudo mentira.

Confesso que me decepcionei com o povo do Rio. Não se vota com consciência, com informação ou qualquer outra coisa boa e sim com um pouco de fofoca e ouvi dizer. Tudo que ouvi dizer contra o Gabeira foram argumentos preconceituosos e impensados, irracionais até. Achar que o homem ia querer liberar a maconha no Rio de Janeiro? Por favor né? Não acreditar nele porque ele mora na Zona Sul? O Eduardo Paes não mora em nenhuma favela não!

Restou-me torcer para que o voto deixe de ser obrigatório. Quem não vê utilidade em sair de casa e exercer seu direito não deveria ser obrigado a votar, assim quem pesquisasse mais e procurasse saber das coisas direitinho faria uma escolha mais acertada.

Com as eleições ganha sempre a democracia, o querer da maioria, mas dessa vez subiram no pódio a ignorância e a falta de conhecimento do povo.