15 pras 7

Um dos problemas de atualizar o Melancia é que não gosto de colocar qualquer coisa aqui. Talvez por elevar demais o “nível de corte” acabo não postando nada. Por outro lado acompanho vários blogs/tumblrs/etc engraçados que não compartilho aqui, então a solução foi criar um tumblr, o 15 pras 7. O motivo do nome está no primeiro post, que também mostra o nível de babaquices coisas que pretendo publicar por lá.

O Melancia não vai acabar (pelo menos não agora), mas até pelo próprio formato, o tumblr vai ser atualizado com bem mais frequencia, mais ou menos uma vez por dia.

Abs!

E a hipocrisia vos empregará

Seja um visionário você também. É só dizer que alguma coisa vai mudar drasticamente o mercado, que alguma tecnologia vem pra derrubar conceitos ou que depois de tal coisa nada vai ser como antes. Depois haja como o mestre do assunto, tuite com as hashtags certas, fale mal de alguém mais famoso que você e voi lá, sua fama está pronta. Você vai se passar por uma coisa que não é – inteligente, no caso – o que acaba sendo hipocrisia, mas se você vender a sua imagem direitinho até consegue um bom emprego. Vai ser difícil se sustentar nele, mas aí já é uma outra história.

No último Circuito 4×1 o Jonatas Abbott, da Dinamize, falou sobre o não fim da TV, traçando um paralelo com o não fim do e-mail. Ele mostrou revoltado uma matéria da Exame onde a repórter simplesmente surta, dizendo que o e-mail vai acabar. Olha a fórmula aí, pegou uma coisa já estabelecida e disse que aquilo ia acabar. Pegaram a TV e disseram que, com o crescimento da internet, ela ia acabar. Pegaram o e-mail e disseram que, com o crescimento dos IMs e redes sociais, ele ia acabar. Pegaram os jornais impressos e disseram que, com o crescimento dos blogs, eles iam acabar. Pegaram o mundo e disseram que, depois de 2012 ele ia acabar. Mania de Apocalipse devia ser o nome disso. E não Apocalipse como fim do mundo não, Apocalipse como revelação, afinal os visionários são esses seres escolhidos para portarem a mensagem de fim das coisas. E o portador da mensagem, amigo, às vezes se torna mais importante que a própria mensagem.

Se um cachorro morde alguém não é notícia, mas se alguém morde o cachorro… Façamos sensacionalismo então, vamos ser pit bulls sendo mordidos por crianças de seis anos, completamente inofensivas. Depois a gente faz um networking legal com os outros do canil, manda uns curriculos e monta nossa matilha feliz, mantendo os amigos perto e as crianças inofensivas mais perto ainda.

09/02/10 – Dia da Internet Segura

Você pode não saber mas hoje é o Dia da Internet Segura, uma campanha que começou na Europa e foi abraçada por outros países como o Brasil. A iniciativa rola desde 2003 e em 2009 já contava com 65 países incluindo o Brasil, que vai pra sua terceira participação.

Dia da Internet Segura - 2010Banner de divulgação da Campanha.

Numa época onde todo mundo fala de tudo, coloca foto de tudo, vídeo de tudo, enfim tudo de tudo, o tema deste ano será Pense Antes de Postar. Cuidados idiotas que todo mundo já devia estar careca de saber como por exemplo a correta utilização da privacidade das Redes Sociais (coisas que só os seus amigos podem saber, e etc.), não postar fotos comprometedoras (suas ou da sua vizinha gostosa que passeia na janela só de calcinha), não falar da vida do seu filho de 10 anos por aí – alertando seu filho de 10 anos a fazer a mesma coisa – e por aí vai, serão discutidos nesse dia.

Infelizmente, pelo menos pra mim que estou no Rio, as principais atividades no Brasil rolam em São Paulo, mas com transmissão ao vivo no site http://www.internetsegura.br. A lista completa de eventos contempla os estados da Paraíba, Minas Gerais, Acre – pasmem, a internet chegou lá – e o Rio de Janeiro, com uma oficina de educadores que o site não diz onde vai ser.

Esse tipo de coisa é até bacana, mas não pode ficar num dia só. Chega em Junho… pff, em Junho! Depois do Carnaval o povo já tá divulgando a vida aí a torto e a direito. Calma lá minha gente, Pensem Antes de Postar, por favor.

Abaixo o vídeo de divulgação da campanha, com o mousezinho fazendo M pra ilustrar.

Entre Marcelo Tas e Diogo Mainardi quem ganha é o Twitter

Já não me lembro mais como descobri o twitter do Diogo Mainardi, colunista da revista Veja, mas lembro de ter descoberto logo de cara que não era ele. Pelo menos era uma pessoa que ele tinha autorizado, então resolvi segui-lo só pra saber quando tinha podcast novo no ar.

O Marcelo Tas eu sigo desde sempre, afinal quem é brasileiro tem que seguir o cara pelo menos no começo. Gosto do programa dele na Band, acho que misturar humor com crítica social acelera um pouco a conscientização do povo. Um pouco de filosofia de botequim, mas é uma coisa pra se refletir. Além disso o cara me ensinou que “Porque sim não é resposta”.

Bom, gastei dois parágrafos só pra chegar no ponto alto da quarta-feira: a discussão entre o Marcelo Tas e o Diogo Mainardi. E olha que essa quarta-feira teve o post do Edir Macedo hein?! Tudo começou com o Mainardi tomando conta de seu próprio twitter. Chegou, tirou umas dúvidas e entrou no século XXI. Mas é o Mainardi, a gente não pode esquecer. Ele não podia chegar no século XXI assim, ele tinha que gerar polêmica! Sobre sua entrada no twitter ele criou um podcast que cita o Marcelo Tas, referindo-se a este como o “Homem-Sanduíche” do novo século. Pronto, aí já viu tudo né? O Tas rebateu daqui, o Mainardi rebateu de lá e assim foi. Quem acompanhou sabe o burburinho que gerou.

A discussão foi por um motivo bem idiota, mas pelo fato de ter sido gerada por dois dos que eu considero os melhores formadores de opinião do nosso país, no twitter ainda por cima, já valeu a pena o ingresso. Agora sim já temos um bom motivo pra trazer todo mundo pro twitter, podemos falar: “Não tá no twitter?! Viu?! Perdeu a briga do Tas com o Mainardi…”.

ps.: Peço desculpas aos meus leitores por estar postando na quinta-feira e não na terça como de costume. Semana que vem voltamos à programação normal.

Por que ter um twitter?

Este post não é para os meus três fiéis leitores, é para os amigos dos meus fiéis leitores.

No mês de março o twitter cresceu 96,8% aqui no Brasil, segundo o IBOPE. Não era pra menos, afinal pra todo lugar que você olha tem alguma notícia sobre o assunto. É script pra ter mais seguidor causando polêmica aqui, o @marcelotas fazendo twitt pago lá, vírus e etc. Mas por que ter um twitter afinal de contas? Por que a gente tem esse negócio?

Uma das definições mais interessantes sobre o twitter pra mim é do Victor Costa. Ele diz que o twitter é uma grande feira livre, só que lá você só escuta quem você quer. Logo de cara você precisa saber que existem dois conceitos importantes: o twitt e a direct message. O twitt é o grito na feira, que todo mundo pode ouvir. Você pode até gritar uma frase pra uma pessoa na feira (ou reply), começando com o “@” dela, mas todo mundo vai ouvir do mesmo jeito. Na direct message (ou DM) só a pessoa que recebe lê, não tem nada a ver com grito nem com feira. Um detalhe: você só pode enviar direct messages para os seus seguidores. Ah, seguidores são aqueles que querem ouvir os seus gritos na feira, da mesma forma que você segue aqueles que parecem ter gritos interessantes. Observem que é assimétrico mesmo, nem sempre quem você segue te segue de volta.

Entendido isso entra o primeiro ponto importante que você não vê nas reportagens sobre o assunto: quem você segue é fundamental para gostar ou não do twitter. Se você decidir entrar no twitter é importantíssimo seguir as pessoas certas. É claro que a vida de quem você não conhece não interessa quase nada, às vezes nem a de quem você conhece interessa, então dê uma olhada no que a pessoa fala pra ver se vale a pena. Procure gente interessante para seguir, afinal se você seguir gente demais você não vai ouvir ninguém. Com o uso certo o twitter pode servir como um noticiário em tempo real, todo o tempo. Todo o tempo? Vou ter que ficar com o meu navegador aberto na página do twitter o tempo todo apertando “Atualizar”? Não.

Outro ponto que as reportagens que eu tenho lido não abordam é como ficar conectado no twitter. Abrir a página do twitter pra ficar vendo lá se tem coisa nova ou não desanima demais, o legal é usar um programinha que avise quando tem coisa nova (e, obviamente, diga que coisa nova é essa). Se você usa firefox tem o twitterfox, um complemento que você baixa e fica ali, quietinho na dele, e de tempos em tempos exibe os twitts das pessoas que você segue. Comecei com ele mas hoje estou usando o twhirl (você vai precisar instalar o Adobe Air também), que fica do lado do relógio do windows e, quando eu clico nele, abre uma janelinha onde eu posso tanto ler os twitts dos outros quanto postar os meus twitts. Isso mesmo, eu não preciso entrar no site do twitter pra absolutamente nada, a não ser pra mudar foto, senha ou bio. Absurdamente a reportagem da Época não comenta sobre isso, faz até uma referência visual ao twitterfox, mas não fala nada sobre ele.

Lembro-me da época que entrei pro twitter. Não via graça na ideia, eu achava que teria que ficar falando da minha vida o tempo todo, sei lá. Enfim, entrei e… me apaixonei! A sensação de proximidade com as pessoas que eu admiro nesse nosso mundinho tecnológico (calma, não tem só nerd) era fascinante e sentir que eu podia ser como um deles era mais fascinante ainda.

Compartilhe esse post com todas aquelas pessoas que te falam: “Twitter? Por que ter um twitter?“. Ah, e fala pra elas me seguirem.

Por que ter medo do twitter se tornar um segundo orkut?

Um primeiro pensamento é aquele que a superpopulação do twitter traria ainda mais gente que responderia ao pé da letra o que está fazendo. Twitts como “estou bebendo um suco”, “estou pegando fulana” vão ser mais numerosos, mas pense bem. Você não precisa seguir quem faz isso, então por que ter medo?

Cachorro no pc!Será que todo mundo vai começar a twittar?

O medo do twitter se tornar um segundo orkut é outro, mais subjetivo e, por muitos, até inconfessável: a sua busca pela fama estaria comprometida. Todo mundo que tem twitter, admita ou não, gosta quando seu número de seguidores aumenta. Natural, você não precisa ter vergonha. Só que começariam a entrar pessoas que conhecem mais gente que você e, em questão de dias, seu número de seguidores seria ridículo perto do deles. Quem mandou ser nerd e não se relacionar com ninguém no mundo real?

Por enquanto o twitter é só o clube de xadrez do colégio. Você consegue ser popular no clube de xadrez. Todo mundo é nerd, você sabe como lidar com eles. Sabe até discutir com eles se for o caso! Mas se o twitter virar o colégio já era. Vai entrar aquele cara valentão que rouba o seu lanche e puxa a sua cueca. Você não consegue ser popular no colégio, só no clube de xadrez.

Sou da época que o orkut ainda era o clube de xadrez. Você precisava ser convidado pra entrar. Depois acabaram com isso, o orkut aumentou, foi ficando chato e inventaram mais coisas. Aí veio a história de todo mundo saber quem entrou no seu perfil e a onda de fakes dominou. Com mais fakes o número de gente aumentou e o valor individual diminuiu – o orkut tinha virado o colégio.

Mas, nisso tudo, é preciso pensar numa coisa: o twitter é essencialmente diferente do orkut. Recursos supervalorizados do orkut não são o foco do twitter que seria, aos olhos dos orkuteiros, só uma atualização permanente do seu perfil o que eu acho que não seria tão interessante assim pra uma boa parte do pessoal.

Pelo sim pelo não a verdade é que, enquanto o twitter vai se tornando o colégio, vai aparecer um outro clube de xadrez, que vai virar colégio e assim por diante. E a gente, com certeza, vai estar em todos eles.