Manifestações populares, impeachment e Eduardo Cunha

Somos reféns de um sistema que sequer entendemos direito. Para hoje já há agendado um panelaço durante o programa do PT e para o dia 16 uma manifestação contra o governo. O impacto direto que estas manifestações públicas tem? Nenhum. Continuar lendo Manifestações populares, impeachment e Eduardo Cunha

Tasso da Silveira, a Columbine tupiniquim

Não preciso contar nada aqui, vocês já devem saber de tudo. Tragédias são ótimas salvadoras de pauta e programas diários e semanais fazem questão de estender isso o máximo possível. Estou passando aqui só pra dar os meus 50 centavos sobre o assunto.

Sofri bullying (aproveitando a modinha da palavra) na época do colégio. Fui daquele tipo que algumas vezes não tinha turma no recreio. Isso me incomodava, mas sabia que ia acabar, às vezes sentia raiva dos meus amigos, mas hoje em dia entendo que eles estavam procurando o lugar deles, assim como eu procurei o meu. Cada um tem seu tempo.

Sofri bullying, mas nunca quis matar ninguém, ou quis, mas não de verdade. Queria sim não ter que ver aquelas pessoas, faltei muita aula por causa disso. Eu sabia que não tinha que passar por aquilo, o que me ensinavam na escola eu aprendia sozinho em casa dando uma lida ou “pescando” na outra aula. Diferente do meu melhor amigo na época (salve Vinicius, um abraço onde quer que você esteja), eu não sentia muito prazer indo pro colégio, muito pelo contrário. Amava a época de provas, entrava tarde, saía cedo, não precisava esperar o recreio terminar.

Fiz curso de Inglês, sofri bullying lá também, mas por pouco tempo. Foi lá que aprendi a me impor um pouco, foi lá que percebi que adolescentes são uma matilha, seguem um líder. Você se impõe ao líder e pronto, tudo fica mais fácil. Até que você vira o líder e passa a sacanear os outros.

Sofri bullying, e, pior, pratiquei bullying. Todo adolescente fez isso, todo mundo tem uma característica que os outros tomam como defeito. Um é orelhudo (eu), outro é negro, outro tem “peitinhos”, outro anda engraçado, outro é magro demais, etc. A diferença é como cada um lida com isso, ou ainda, como cada um é conduzido a lidar com isso.

Estudando um pouco sobre o massacre em Columbine, vi que, pelas cartas, diários e sites deixados pelos autores da coisa toda, especialistas perceberam que eles tinham graves problemas mentais. Por que então, meu Deus do céu, ninguém percebeu isso antes? O que circula por aí é que o tal Wellington tinha sérios problemas e etc. mas isso só pode ser diagnosticado depois que o sujeito pega uma arma e mata todo mundo? Psiquiatras minimamente preparados não poderiam ter percebido que, na época do colégio, ele não era um psicopata em potencial ou pelo menos que ele precisava de ajuda?

Mas tudo isso é complicado demais né? Num país onde a gente luta pra ter professor de matemática em todas as escolas, pedir uma coisa dessas é demais mesmo…

Versão Brasileira

Demorei muito pra voltar a postar pelos mesmos motivos de sempre: falta de assunto e falta de tempo. Pra falta de tempo até dá-se um jeito, mas pra falta de assunto não tem como. O Melancia nunca teve tema certo, sempre falei sobre qualquer coisa, mas daí a falar qualquer coisa de qualquer coisa, assim sem critério nenhum, sei lá, não consigo.

Uma das minhas inspirações pra escrever é o @bighi do Tomate Cru, que também estava parado há muito tempo e eis que ele volta com este post. Reclamar, taí uma coisa que eu sei fazer bem, tenho talento e muita experiência, mas reclamar do quê? Depois deste post achei a resposta que precisava. Logo no primeiro parágrafo ele fala de uma das minhas maiores broncas: legendagem mal feita.

Existem três jeitos de se ver um filme, série e etc. em outra língua: no original puro, se garantindo no seu conhecimento no idioma pra entender; legendado e dublado. Nos dois últimos jeitos você se rende a uma “versão” das coisas. Existem milhares de regionalismos nos filmes e traduzi-los nem sempre é tão fácil como parece. Milhões de trocadilhos idiotas são sacrificados porque simplesmente não fazem o menor sentido traduzidos. Nunca vou me esquecer da dublagem de um filme do Batman mais antigo, onde alguém pergunta pro Mr. Freeze “Why are you so blue?” (blue em inglês pode ser tanto azul quanto triste, deprimido), fazendo um trocadilho com a palavra e os imbecis traduziram simplesmente “Por que você está tão azul?”. Gente, aquilo não fez o menor sentido pra quem não entende nada de inglês!

Assistindo a uma entrevista sobre dublagem outro dia ouvi de um dos principais dubladores do Brasil uma frase genial: no começo você escuta versão brasileira e não imitação americana. Nas obras bem traduzidas os regionalismos ou são explicados ou são trocados por coisas que façam sentido (exemplo disso são as tirinhas do Cyanide & Happiness traduzidas). Apesar de normalmente preferir a versão legendada, eu gosto de filme bem dublado. Mudança de Hábito, por exemplo, prefiro assistir dublado. O original é bom demais, mas o dublado é ainda mais engraçado. Animações também prefiro a versão dublada, fico sempre com a impressão de que fizeram direitinho.

CSI: Miami - Horatio e os mineiros chilenosExemplo de coisa difícil de traduzir. Mine aí é um trocadilho de “mina” e o prazer é todo “meu”.

O Guilherme Briggs, dublador do Freakazoid, do Brendan Fraser, Denzel Washington, Buzz Lightyear e mais um monte de personagem, quando dublava o Freakazoid brincava com coisas que a gente conheceria, como a voz do Silvio Santos, piada de português e não com piadas que o David Letterman faria! Além disso ele conseguiu criar uma versão do personagem que é melhor do que a do dublador original.

Agora entramos numa outra fase das coisas: se antes a legendagem simplesmente podia ser melhor, hoje ela está horrível! Assistindo Os Mercenários no cinema fiquei revoltado. Alteraram o sentido de várias falas mudando o contexto todo em determinadas cenas, e tudo isso sem a menor necessidade! O filme já é uma porcaria, mal legendado ficou ainda pior.

Na televisão, principalmente nos canais fechados, o problema é outro: falta de sincronia. Outro dia vi um seriado (Cake Boss, no Liv) com falas atrasadas em sete segundos. Quem não ouve inglês pelo menos, não estava entendendo nada. Soma-se a isso traduções sem capricho e sem a menor veia cômica e o que acontece é gente rindo demais de uma coisa enquanto tem gente que não viu a menor graça na cena e passa a achar o seriado uma bosta.

Na entrevista que falei lá em cima fiquei sabendo que os americanos consideram nossa dublagem uma das melhores do mundo. Não devem ter assistido Two and a Half Men no SBT e House na Record.

Copa do Mundo – você é brasileiro ou não é?!

Vem aí a Copa e alguns brasileiros já decidiram torcer contra. Torcer pra Argentina, é possível isso?

O time do Dunga não é lá essas coisas, mas confio na tal “coerência”, além do mais o todo vale mais que a soma das partes. E, acima de tudo, sou brasileiro. Time ruim, mas fazer o quê? É o que a gente tem e, estou torcendo pra isso, é o time que vai trazer a taça pra gente.

E tenho dito.

Estudar na UERJ é…

Dessa vez não vou falar mal da UERJ em prosa, vamos de verso dessa vez:

Vou começar falando do início do ano letivo
Onde a galera, em um esforço coletivo,
Divulgava o gambiarra-ponto-te-cá
Pro resultado da inscrição a gente poder pegar.

As aulas só começaram dia dez do três
Porque o calendário já está atrasado outra vez.
Enquanto todo mundo vai estar de férias
Estarei eu lá cursando oito matérias.

Esse período estou suportando melhor a cruz,
mas hoje cheguei na aula, e estava sem luz.
Cursando disciplina que ainda nem tem mestre
Isso porque estamos na terceira semana do semestre.

Está chegando a época da eleição,
E quem estuda há pelo menos dois anos nessa instituição
Sabe portanto, que muito em breve
Estaremos todos parados por causa da greve.

Dedico esse poema ao magnífico senhor reitor,
Que tem nos tratado com muito amor,
Mas se a faculdade não melhorar de uma vez
Só vou conseguir me formar em 2023.

Obrigado.

Retrospectiva 2009

Esse ano, pela primeira vez, estou com vontade de assistir à Retrospectiva 2009.

Não foi um ano bom pra mim. Foi, com muita boa vontade, razoável e olhe lá. Se o programa fosse sobre a minha vida seria bem chato, com idas pro trabalho ouvindo rádio (BandNews FM, vejam como fico velho) e voltas num metrô apertado com o protagonista se perguntando se era aquilo ali mesmo que ele queria da vida. Não era. Talvez (re)vendo o que aconteceu em 2009 eu veja que pelo menos pro mundo foi um ano interessante.

Não sei como funciona esse programa, não sei se é dividido em meses ou em fatos ou ainda em categorias, tipo “Mortes importantes” e “Escândalos políticos”. De um jeito ou de outro tentei me lembrar o que marcou os noticiários em 2009 e fiz mentalmente uma pequena lista de coisas que eu queria parar de ouvir e não podia. A ordem de exposição é por ordem de aparição na minha lembrança e não por ordem de importância. Não que isso faça muita diferença.

O acidente com o avião da Air France foi o primeiro da lista. Fiz questão de esquecer aquele número do avião (airbus tralalá) que todo santo dia repetiam na minha cabeça, fosse no rádio, na televisão ou no trabalho. Teve o Lula falando que se a gente acha petróleo tão fundo como não acharíamos um avião daquele tamanho. Não achamos.

Teve a crise também. Uma ladainha sem fim, por sinal. O que me lembrou, não sei bem porque, de IPI. Como encheram o saco com IPI! Linha branca, carro, etc. Crise também lembra EUA, que me lembrou Obama que me lembrou que ele ganhou o Nobel da Paz. Deve passar isso na Retrospectiva.

Na categoria “Escândalos políticos” tem o Sarney empregando a família toda. Aliás o termo escândalo é até mal colocado, porque escândalo tem que causar espanto e roubalheira no Brasil não dá em nada – nem em espanto, pelo menos pra mim – faz muito tempo. Teve o caso do Arruda com dinheiro até lá onde o sol não bate (duvida?!) e que – adivinhem – até agora não deu em nada. Nem em panetone.

Nos obituários reinou Michael Jackson e fiquei me perguntando se vão lembrar do Lombardi, do Alborghetti e da Leila Lopes. Aliás eu só me lembrei que o Michael Jackson tinha morrido porque vi no comercial do programa. Teve mais alguém que eu não lembro, com certeza. Vou ficar espantado com esse programa, posso sentir isso.

Teve o cara que roubou não-sei-quem na frente de uma farmácia na Tijuca, não teve? Foi esse ano?! Nem me lembro. Coisas assim passam na Retrospetiva? Nardoni não foi esse ano, mas deve passar alguma coisa. Suzane von Rixksiewstofen idem e aquele cara que (dizem) traçava as pacientes que queriam inseminação artificial também.

Se eu continuar envelhecendo tanto quanto me senti envelhecido – não no corpo, mas na mente, se bem que no corpo… – no final do ano da graça de dois mil e dez estarei assistindo a São Silvestre.

Estatuto da Igualdade Racial

Foi aprovado na câmara há pouco tempo atrás o Estatuto da Igualdade Racial, mais um movimento errado para consertar o preconceito no Brasil.

A proposta é tão ridícula e sem nexo, expõe tanto os negros, que se eu fosse negro ficaria envergonhado. O estatuto define “Desigualdade racial” como “Todas as situações injustificadas de diferenciação de acesso e oportunidades em virtude da raça, descendência ou origem nacional”. Num país como o Brasil é fato que não vai funcionar como deveria. Num país como o Brasil, onde os julgamentos são feitos pelas perspectivas mais estranhas possíveis, uma coisa assim não deveria nem ser proposta. “População Negra é o conjunto de pessoas que se autodeclaram negras ou pardas”, definição que não poderia ser diferente, chega a irritar, afinal eu sou negro. Não sou?! Quem é você pra dizer se sou negro ou não?! Sou negro sim e quero ser protegido por um estatuto que simplesmente isola um determinado grupo e confere à eles determinadas regalias.

As cotas nas universidades felizmente ficaram de fora, mas as cotas nos partidos políticos não. Na UERJ 20% das vagas são destinadas à negros, enquanto os partidos políticos devem ter 10% de candidatos negros. Se a educação pública é uma desgraça que se ajeite a educação pública, enquanto isso adota-se como medida paliativa cota para alunos de escolas públicas, mas o que tem raça a ver com isso?

Algumas coisas ficaram de fora, como “cota para negros em televisão e filmes” e “exigência de o SUS identificar pacientes no atendimento pela raça“. Acreditem, alguém algum dia achou que isso era fazer igualdade.

E que não se venha com o discurso hipócrita de sempre, dizendo que os negros fizeram muito pelo país e, uma vez que foram historicamente massacrados pelos brancos, eles merecem justiça. Isso não é justiça, isso é preconceito, é separação racial. Ao invés de pregar a igualdade estamos ressaltando as diferenças. Eu não sou da elite branca, considerar isso é ter preconceito e, me desculpem a franqueza, mas é ser extremamente babaca.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. Martin Luther King, Jr.

Livre tradução: Eu sonho que um dia meus quatro filhos viverão numa nação onde eles não serão julgados pela cor, mas pelo seu caráter. Sorte dos filhos deles não terem nascido no Brasil.

Notícia completa no g1: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1301785-5598,00.html