Resenha: Star Wars – Herdeiro do Império (Trilogia Thrawn | vol. 1)

Luke, Han e Leia enfrentam uma nova ameaça. Cinco anos após a destruição da Estrela da Morte, a ainda frágil República luta para restabelecer o controle político e curar as feridas deixadas pela guerra que assolou a galáxia. O Império, porém, parece não ter morrido com Darth Vader e o imperador. Habitando os confins da galáxia, o grão-almirante Thrawn, gênio militar por trás de diversas ações imperiais, ainda luta para reconquistar o poder perdido. A bordo do destroier estelar Quimera, ele descobre segredos que lhe darão a chance de destruir definitivamente o que restou da Aliança Rebelde, para assim retomar o domínio da galáxia e controlar os últimos dos Jedis.

Continuar lendo Resenha: Star Wars – Herdeiro do Império (Trilogia Thrawn | vol. 1)

Leitor digital (e-reader) x Livros de papel

Em 2007, quando se começou a falar em Kindle, confesso que torci o nariz. Pensava que era impossível ser confortável passar mais momentos olhando uma tela e que bom mesmo era sentir a textura da folha, o peso do livro e etc. Reações comuns de quem vê ameaçado algo que está muito bom do jeito que está. Um tempo depois quis voltar a ler quadrinhos e, como todo mundo lia no tablet e eu não tinha um, comprei na China um aparelho que servia pra isso. Não serviu – a memória baixa tornava lenta demais a dinâmica de navegar pelas imagens -, mas eu ia viajar, o livro que eu estava lendo era pesado e acabei colocando uma cópia digital dele no aparelho. Foi minha salvação. Eu me rendia às vantagens dos leitores eletrônicos. Continuar lendo Leitor digital (e-reader) x Livros de papel

Resenha: Memórias Póstumas de Brás Cubas

Para algumas pessoas deve parecer estranho ler Machado de Assis por prazer. Não sei ainda é assim, mas até pouco tempo estudar literatura brasileira na escola era ser obrigado a ler certos livros com a idade errada, o que resulta em um asco a autores excelentes, que simplesmente tem uma linguagem incompatível com a nossa faixa etária. Afinal, Machado de Assis escrevia para adultos e, por isso mesmo, inseria em seus livros críticas à política da época, por exemplo. E diga-se de passagem que as críticas dele, seja pela natureza brasileira ou por visão de futuro, continuam atemporais.

Machado de Assis, negro, de origem humilde e fundador da Academia Brasileira de Letras
Machado de Assis, negro, de origem humilde e fundador da Academia Brasileira de Letras

Em Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Machado de Assis abre a segunda e mais psicológica de suas duas fases literárias. Abre a segunda fase e abre mal. O livro tem um dos começos mais desafiadores (e chatos) que eu já li, o que acaba não compensando todo o resto do livro, que apesar de muito bom não chega aos pés de Dom Casmurro, Esaú e Jacó ou do excelente O Alienista. Continuar lendo Resenha: Memórias Póstumas de Brás Cubas

Resenha: Mad Max – Estrada da Fúria

Depois de 30 anos o diretor e roteirista George Miller retoma a franquia Mad Max. Com vários fãs saudosistas no Brasil e no mundo, o filme teve ótima recepção e, apesar de não ter uma bilheteria impressionante nos Estados Unidos , já desbancou “Vingadores 2” por aqui. Continuar lendo Resenha: Mad Max – Estrada da Fúria