Interpretação de textos

Sabe por que nas Igrejas é preciso alguém lá na frente explicando? Porque as pessoas são péssimas em interpretação de texto. E aqui toco em duas coisas bem sensíveis: burrice e religião.

Para susto de alguns tenho um lado religioso muito forte. Faço parte de uma Igreja. Uma Igreja Evangélica. Uma Igreja Evangélica – pasmem – sem fins lucrativos. E eu sou um evangélico que – pasmem novamente – penso. Pouco, mas penso. E uma das coisas que sempre me intrigou foi o fato de ter alguém lá na frente pra explicar uma coisa que está escrita, ali, pra todo mundo ver. Se me intrigou não intriga mais. A burrice, (meus irmãos!,) é minimizada nesse modelo.

E aqui tem dois caminhos: os que explicam a mensagem e os que explicam a mensagem vendendo tv a cabo. Isso aí, você leu direitinho, tv a cabo. Vou falar do primeiro, porque do segundo não vai dar tempo nem espaço. Um cara que vende tv a cabo dentro de uma Igreja dizendo que Cristo está abençoando merece um post separado. Vamos ao primeiro grupo.

A cena é aquela clássica: pessoas sentadas, um alguém falando. As pessoas sentadas, cristãs, que dizem conhecer a Bíblia e o alguém, que em geral realmente conhece a Bíblia. O ponto está aí, nos que estão sentados. Não estão vendo?! Eles dizem que conhecem, mas pede pra um deles explicar um versículo. Ih, meu amigo, se segura. Ou vem uma explicação decorada (ensinada pelo que estava falando na outra cena) ou uma massaroca de coisas sem sentido, chavões que ele aprendeu e nem sabe direito o que significa. Frases inteiras só com chavões! Manja catequização dos índios? Nesse modelo.

Generalizei, é verdade, tem muitos que sentam ali, escutam e absorvem uma mensagem de mundo melhor, de regra de vida. Mas os que saem dali com regra de vida pros outros, ah, não dá. E tudo isso por quê?! Falta de interpretação de texto. Há uma tendência a culpar quem estava ensinando, mas não sei não. Tenho minhas dúvidas de que é o único jeito que ele tem de passar adiante a coisa toda. Entender certas coisas não são fáceis, ao passo que fingir que entendeu é bem tranquilo.

Na Igreja que eu frequento chamam de “conhecimento secular” – é um dos chavões, abraço forte aos envolvidos -, mas lá falam que o conhecimento aqui de fora é importante sim pra entender o que acontece lá dentro. Se você lê bem você aprende melhor, entende melhor e por isso absorve mais.

E aqui não vai crítica não, vai é um apelo pra vocês que ficam sentados: leiam mais. Não só a Bíblia, mas outros livros. Recebo citações bíblicas em tudo quanto é rede social, mas com erros crassos de português. A linguagem da Bíblia é bem rebuscada, se você não entende nem as palavras mais simples quer dizer que entendeu a mensagem toda? Desculpem, mas fica difícil de acreditar.

Mas pra que era esse post? Era pra quem não sabe interpretar textos, mas se alguns deles chegou até aqui não entendeu nada mesmo.


Na verdade o cara lá na frente serve para mais coisa. Se fosse só todo mundo sentado, além de uma confusão danada na hora de escolher o que cantar, por exemplo, ia faltar alguém pra escolher quem falar primeiro e etc. Além, é óbvio, de se acreditar que as interpretações que vem de quem está lá na frente representam a interpretação que deve ser seguida por toda a Igreja.

Boas festas do Melancia – Repeteco

Ano passado fiz um post de Boas festas. Troquem 2008 por 2009, 2009 por 2010 e é o post desse ano também (tirando a parte da crise e da viagem do final do ano).

Fazendo um balanço do ano percebi que devia ter lido o que escrevi na véspera do Natal passado todo santo dia. Fiz muito pouco, progredi muito pouco ou quase nada e me encontrei menos ainda que o habitual.

Enfim, que venha 2010! Boas festas para todos e que o novo ano traga mudanças pra melhor na vida de todo mundo.

ps.: Talvez, quem sabe, ainda tenha mais um post no ano por aqui, vamos ver…

Tiradentes e São Jorge, mas e Cabral?

Na próxima quinta-feira, graças a uma lei antes municipal e agora estadual, será feriado no Rio de Janeiro. Dia de São Jorge sabia? São Jorge, grande herói nacional… Não, não… Segundo a wikipedia São Jorge é o santo patrono extra-oficial do Rio de Janeiro. No dia que faltar São Sebastião fica São Jorge no lugar, pelo que eu entendi.

Não me entenda mal, por favor. Eu gosto de feriados, mas acho interessante que eles tenham motivo. E esse feriado especificamente até me incomoda. No dia 21 de Abril o Brasil relembra com saudades seu grande herói Tiradentes e dia 23 o Rio de Janeiro parará por conta da degolação de São Jorge (ele foi degolado, você não sabia?). Só que dia 22 de Abril relembraremos o descobrimento do país, mas trabalharemos normalmente! Como assim, Bial?

praia paradisíaca pra ir no feriado
No dia de São Jorge você vai poder ir à praia. No Dia do Índio não.

Neste ano o feriado do dia 23 vai me incomodar ainda mais, porque ele cai numa quinta-feira, enquanto o do dia 21 será numa terça, ou seja, a maioria das pessoas não vai saber nem que dia enforcar. Será provavelmente a segunda-feira, afinal enforcamento merecidamente tem que estar perto de Tiradentes.

Eu sei que dificilmente o feriado deixará de existir. E também não é isso o que eu quero. Para se fazer justiça neste caso temos que transformar o dia 22 em feriado! É isso! Viva Cabral!

No próximo ano enforcaremos o dia 22, cai numa quinta-feira, fica mais fácil de decidir. Mas e as coisas importantes que estaremos ignorando nos dias 19 e 20? Dia 19 é Dia do Índio. Não deveríamos valorizar os nossos índios? Por que não um feriado? E dia 20 é o dia de São Teodoro. Se pregamos uma sociedade justa e igualitária deveríamos dar um feriado pra ele também, ora. Se São Jorge conseguiu o dele, por que não um pra São Teodoro também? Hein?

Se bem que o dia 20 de Abril é um dia cerimonial do fumo da maconha no Canadá e nos Estados Unidos. No Brasil é mais fácil arrumar um feriadinho por aí. Alô Gabeira! Olhai por nós!

ps.: Gostou? Terça-feira tem mais. É feriado né, mas vamos ver se eu consigo…

Feliz… Páscoa?!

Nos votos de boas festas falei um pouco sobre a deturpação do Natal, mas pensando na Páscoa acho que essa última consegue ser pior.

No país dos católicos não praticantes e dos evangélicos fanáticos pouca gente sabe como a páscoa que conhecemos hoje é só uma sombra da original. Ao pensar que na semana santa mais um ano se passou da ressurreição de Cristo você está enganado.

A educação religiosa no nosso país é feita às cegas, com métodos de lavagem cerebral que acabam dicotomizando a população. Há os que não raciocinam religião, apenas seguem o que lhes é passado sem qualquer processamento e há os que criticam esses últimos. Fora desses dois grupos sobram muito poucos.

Na intenção de esclarecer os participantes do primeiro grupo vão alguns pontos que podem ser acachapantes:

  1. A páscoa não começou na época de Cristo. A páscoa é, na verdade, uma festa celebrada desde a época de Moisés, não a toa páscoa significa passagem (Pessach) referindo-se à passagem do anjo da morte.
  2. A páscoa não é comemorada no dia certo. O fato da páscoa mudar de data todo ano se deve ao seu relacionamento com a lua. Isso mesmo, com a lua. A data da Páscoa é marcada no primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre em ou logo depois de 21 de março. Com base nessa data também é marcado – pasmem! – o carnaval, que ocorre 47 dias antes.
  3. Os cristãos não celebram cultos ou missas no sétimo dia da semana porque Cristo ressurgiu no primeiro. É, se você não percebeu domingo é o primeiro dia da semana e não o sétimo. Deus descansou num sábado, mas Cristo ressurgiu num domingo.

Se o fanatismo religioso no nosso país é uma praga a ser combatida, ignorância se combate com conhecimento. Se todos os que tem religião soubessem como propagar a ideia, ou ao menos soubessem que ideia propagar, certamente estariamos em melhores condições. Não adianta ler a Bíblia se você não sabe interpretar textos. Nem a Bíblia nem livro nenhum. Já é um livro difícil, se não souber interpretar você vai é entender tudo errado (como tem muita gente entendendo por aí).

Desculpem os leitores ateus – sei que tenho alguns -, mas no próximo post voltamos à nossa programação normal.