Tasso da Silveira, a Columbine tupiniquim

Não preciso contar nada aqui, vocês já devem saber de tudo. Tragédias são ótimas salvadoras de pauta e programas diários e semanais fazem questão de estender isso o máximo possível. Estou passando aqui só pra dar os meus 50 centavos sobre o assunto.

Sofri bullying (aproveitando a modinha da palavra) na época do colégio. Fui daquele tipo que algumas vezes não tinha turma no recreio. Isso me incomodava, mas sabia que ia acabar, às vezes sentia raiva dos meus amigos, mas hoje em dia entendo que eles estavam procurando o lugar deles, assim como eu procurei o meu. Cada um tem seu tempo.

Sofri bullying, mas nunca quis matar ninguém, ou quis, mas não de verdade. Queria sim não ter que ver aquelas pessoas, faltei muita aula por causa disso. Eu sabia que não tinha que passar por aquilo, o que me ensinavam na escola eu aprendia sozinho em casa dando uma lida ou “pescando” na outra aula. Diferente do meu melhor amigo na época (salve Vinicius, um abraço onde quer que você esteja), eu não sentia muito prazer indo pro colégio, muito pelo contrário. Amava a época de provas, entrava tarde, saía cedo, não precisava esperar o recreio terminar.

Fiz curso de Inglês, sofri bullying lá também, mas por pouco tempo. Foi lá que aprendi a me impor um pouco, foi lá que percebi que adolescentes são uma matilha, seguem um líder. Você se impõe ao líder e pronto, tudo fica mais fácil. Até que você vira o líder e passa a sacanear os outros.

Sofri bullying, e, pior, pratiquei bullying. Todo adolescente fez isso, todo mundo tem uma característica que os outros tomam como defeito. Um é orelhudo (eu), outro é negro, outro tem “peitinhos”, outro anda engraçado, outro é magro demais, etc. A diferença é como cada um lida com isso, ou ainda, como cada um é conduzido a lidar com isso.

Estudando um pouco sobre o massacre em Columbine, vi que, pelas cartas, diários e sites deixados pelos autores da coisa toda, especialistas perceberam que eles tinham graves problemas mentais. Por que então, meu Deus do céu, ninguém percebeu isso antes? O que circula por aí é que o tal Wellington tinha sérios problemas e etc. mas isso só pode ser diagnosticado depois que o sujeito pega uma arma e mata todo mundo? Psiquiatras minimamente preparados não poderiam ter percebido que, na época do colégio, ele não era um psicopata em potencial ou pelo menos que ele precisava de ajuda?

Mas tudo isso é complicado demais né? Num país onde a gente luta pra ter professor de matemática em todas as escolas, pedir uma coisa dessas é demais mesmo…

Hora do Planeta

Amanhã, dia 26 de Março, das 20h30 até as 21h30, um monte de gente (e empresas também, pelo que parece) vai apagar as luzes, graças a Hora do Planeta, como um símbolo de preocupação com a atual situação da Terra. A ideia é da WWF e é realizada desde (não sei quanto tempo), mas ano passado teve alguma repercussão.

Hora do (Capitão) Planeta?
Hora do Capitão Planeta

Muito legal, um montão de gente num sábado desligando as luzes de casa por uma hora. Meu Deus, pra quê? Uma hora no ano, num sábado? Grande ajuda galera, vamos continuar mandando terra, fogo, vento, água e coração pra ver se tudo muda em uma hora e a gente salva esse planetinha tão surrado.

Como alternativa eu deixo ideias de terceiros como: alugar o Brasil planeta; ou entrar num cruzeiro interplanetário e voltar daqui a 700 anos pra resolver, que nem os gordinhos do Wall-e fizeram.

Estudar na UERJ é…

Dessa vez não vou falar mal da UERJ em prosa, vamos de verso dessa vez:

Vou começar falando do início do ano letivo
Onde a galera, em um esforço coletivo,
Divulgava o gambiarra-ponto-te-cá
Pro resultado da inscrição a gente poder pegar.

As aulas só começaram dia dez do três
Porque o calendário já está atrasado outra vez.
Enquanto todo mundo vai estar de férias
Estarei eu lá cursando oito matérias.

Esse período estou suportando melhor a cruz,
mas hoje cheguei na aula, e estava sem luz.
Cursando disciplina que ainda nem tem mestre
Isso porque estamos na terceira semana do semestre.

Está chegando a época da eleição,
E quem estuda há pelo menos dois anos nessa instituição
Sabe portanto, que muito em breve
Estaremos todos parados por causa da greve.

Dedico esse poema ao magnífico senhor reitor,
Que tem nos tratado com muito amor,
Mas se a faculdade não melhorar de uma vez
Só vou conseguir me formar em 2023.

Obrigado.

09/02/10 – Dia da Internet Segura

Você pode não saber mas hoje é o Dia da Internet Segura, uma campanha que começou na Europa e foi abraçada por outros países como o Brasil. A iniciativa rola desde 2003 e em 2009 já contava com 65 países incluindo o Brasil, que vai pra sua terceira participação.

Dia da Internet Segura - 2010Banner de divulgação da Campanha.

Numa época onde todo mundo fala de tudo, coloca foto de tudo, vídeo de tudo, enfim tudo de tudo, o tema deste ano será Pense Antes de Postar. Cuidados idiotas que todo mundo já devia estar careca de saber como por exemplo a correta utilização da privacidade das Redes Sociais (coisas que só os seus amigos podem saber, e etc.), não postar fotos comprometedoras (suas ou da sua vizinha gostosa que passeia na janela só de calcinha), não falar da vida do seu filho de 10 anos por aí – alertando seu filho de 10 anos a fazer a mesma coisa – e por aí vai, serão discutidos nesse dia.

Infelizmente, pelo menos pra mim que estou no Rio, as principais atividades no Brasil rolam em São Paulo, mas com transmissão ao vivo no site http://www.internetsegura.br. A lista completa de eventos contempla os estados da Paraíba, Minas Gerais, Acre – pasmem, a internet chegou lá – e o Rio de Janeiro, com uma oficina de educadores que o site não diz onde vai ser.

Esse tipo de coisa é até bacana, mas não pode ficar num dia só. Chega em Junho… pff, em Junho! Depois do Carnaval o povo já tá divulgando a vida aí a torto e a direito. Calma lá minha gente, Pensem Antes de Postar, por favor.

Abaixo o vídeo de divulgação da campanha, com o mousezinho fazendo M pra ilustrar.

Retrospectiva 2009

Esse ano, pela primeira vez, estou com vontade de assistir à Retrospectiva 2009.

Não foi um ano bom pra mim. Foi, com muita boa vontade, razoável e olhe lá. Se o programa fosse sobre a minha vida seria bem chato, com idas pro trabalho ouvindo rádio (BandNews FM, vejam como fico velho) e voltas num metrô apertado com o protagonista se perguntando se era aquilo ali mesmo que ele queria da vida. Não era. Talvez (re)vendo o que aconteceu em 2009 eu veja que pelo menos pro mundo foi um ano interessante.

Não sei como funciona esse programa, não sei se é dividido em meses ou em fatos ou ainda em categorias, tipo “Mortes importantes” e “Escândalos políticos”. De um jeito ou de outro tentei me lembrar o que marcou os noticiários em 2009 e fiz mentalmente uma pequena lista de coisas que eu queria parar de ouvir e não podia. A ordem de exposição é por ordem de aparição na minha lembrança e não por ordem de importância. Não que isso faça muita diferença.

O acidente com o avião da Air France foi o primeiro da lista. Fiz questão de esquecer aquele número do avião (airbus tralalá) que todo santo dia repetiam na minha cabeça, fosse no rádio, na televisão ou no trabalho. Teve o Lula falando que se a gente acha petróleo tão fundo como não acharíamos um avião daquele tamanho. Não achamos.

Teve a crise também. Uma ladainha sem fim, por sinal. O que me lembrou, não sei bem porque, de IPI. Como encheram o saco com IPI! Linha branca, carro, etc. Crise também lembra EUA, que me lembrou Obama que me lembrou que ele ganhou o Nobel da Paz. Deve passar isso na Retrospectiva.

Na categoria “Escândalos políticos” tem o Sarney empregando a família toda. Aliás o termo escândalo é até mal colocado, porque escândalo tem que causar espanto e roubalheira no Brasil não dá em nada – nem em espanto, pelo menos pra mim – faz muito tempo. Teve o caso do Arruda com dinheiro até lá onde o sol não bate (duvida?!) e que – adivinhem – até agora não deu em nada. Nem em panetone.

Nos obituários reinou Michael Jackson e fiquei me perguntando se vão lembrar do Lombardi, do Alborghetti e da Leila Lopes. Aliás eu só me lembrei que o Michael Jackson tinha morrido porque vi no comercial do programa. Teve mais alguém que eu não lembro, com certeza. Vou ficar espantado com esse programa, posso sentir isso.

Teve o cara que roubou não-sei-quem na frente de uma farmácia na Tijuca, não teve? Foi esse ano?! Nem me lembro. Coisas assim passam na Retrospetiva? Nardoni não foi esse ano, mas deve passar alguma coisa. Suzane von Rixksiewstofen idem e aquele cara que (dizem) traçava as pacientes que queriam inseminação artificial também.

Se eu continuar envelhecendo tanto quanto me senti envelhecido – não no corpo, mas na mente, se bem que no corpo… – no final do ano da graça de dois mil e dez estarei assistindo a São Silvestre.

Estatuto da Igualdade Racial

Foi aprovado na câmara há pouco tempo atrás o Estatuto da Igualdade Racial, mais um movimento errado para consertar o preconceito no Brasil.

A proposta é tão ridícula e sem nexo, expõe tanto os negros, que se eu fosse negro ficaria envergonhado. O estatuto define “Desigualdade racial” como “Todas as situações injustificadas de diferenciação de acesso e oportunidades em virtude da raça, descendência ou origem nacional”. Num país como o Brasil é fato que não vai funcionar como deveria. Num país como o Brasil, onde os julgamentos são feitos pelas perspectivas mais estranhas possíveis, uma coisa assim não deveria nem ser proposta. “População Negra é o conjunto de pessoas que se autodeclaram negras ou pardas”, definição que não poderia ser diferente, chega a irritar, afinal eu sou negro. Não sou?! Quem é você pra dizer se sou negro ou não?! Sou negro sim e quero ser protegido por um estatuto que simplesmente isola um determinado grupo e confere à eles determinadas regalias.

As cotas nas universidades felizmente ficaram de fora, mas as cotas nos partidos políticos não. Na UERJ 20% das vagas são destinadas à negros, enquanto os partidos políticos devem ter 10% de candidatos negros. Se a educação pública é uma desgraça que se ajeite a educação pública, enquanto isso adota-se como medida paliativa cota para alunos de escolas públicas, mas o que tem raça a ver com isso?

Algumas coisas ficaram de fora, como “cota para negros em televisão e filmes” e “exigência de o SUS identificar pacientes no atendimento pela raça“. Acreditem, alguém algum dia achou que isso era fazer igualdade.

E que não se venha com o discurso hipócrita de sempre, dizendo que os negros fizeram muito pelo país e, uma vez que foram historicamente massacrados pelos brancos, eles merecem justiça. Isso não é justiça, isso é preconceito, é separação racial. Ao invés de pregar a igualdade estamos ressaltando as diferenças. Eu não sou da elite branca, considerar isso é ter preconceito e, me desculpem a franqueza, mas é ser extremamente babaca.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. Martin Luther King, Jr.

Livre tradução: Eu sonho que um dia meus quatro filhos viverão numa nação onde eles não serão julgados pela cor, mas pelo seu caráter. Sorte dos filhos deles não terem nascido no Brasil.

Notícia completa no g1: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1301785-5598,00.html

Suzana Vieira, Peter Lindbergh e a beleza irreal

Algumas transformações de comportamento evoluem ao ponto de chegar ao absurdo e depois vão involuindo para se adequar à realidade. A supervalorização da beleza parece ser uma delas.

O Ruy Castro, comentarista na BandNews FM, falou sobre uma espécie de protesto lançado pelo fotógrafo Peter Lindbergh: a revista Elle, na França, lançou na edição de Abril várias capas com famosas (Monica Belucci inclusive) sem maquiagem.

Revista Elle francesa - Eva Herzigova e Monica BelucciCapas da Elle – Herzigova e Belucci por Peter Lindbergh – sem maquiagem

Vendo uma notícia dessas como não lembrar de Suzana Vieira?

Suzana Vieira - com e sem photoshopSuzana Vieira: um dos absurdos nos retoques digitais.

Entre Marcelo Tas e Diogo Mainardi quem ganha é o Twitter

Já não me lembro mais como descobri o twitter do Diogo Mainardi, colunista da revista Veja, mas lembro de ter descoberto logo de cara que não era ele. Pelo menos era uma pessoa que ele tinha autorizado, então resolvi segui-lo só pra saber quando tinha podcast novo no ar.

O Marcelo Tas eu sigo desde sempre, afinal quem é brasileiro tem que seguir o cara pelo menos no começo. Gosto do programa dele na Band, acho que misturar humor com crítica social acelera um pouco a conscientização do povo. Um pouco de filosofia de botequim, mas é uma coisa pra se refletir. Além disso o cara me ensinou que “Porque sim não é resposta”.

Bom, gastei dois parágrafos só pra chegar no ponto alto da quarta-feira: a discussão entre o Marcelo Tas e o Diogo Mainardi. E olha que essa quarta-feira teve o post do Edir Macedo hein?! Tudo começou com o Mainardi tomando conta de seu próprio twitter. Chegou, tirou umas dúvidas e entrou no século XXI. Mas é o Mainardi, a gente não pode esquecer. Ele não podia chegar no século XXI assim, ele tinha que gerar polêmica! Sobre sua entrada no twitter ele criou um podcast que cita o Marcelo Tas, referindo-se a este como o “Homem-Sanduíche” do novo século. Pronto, aí já viu tudo né? O Tas rebateu daqui, o Mainardi rebateu de lá e assim foi. Quem acompanhou sabe o burburinho que gerou.

A discussão foi por um motivo bem idiota, mas pelo fato de ter sido gerada por dois dos que eu considero os melhores formadores de opinião do nosso país, no twitter ainda por cima, já valeu a pena o ingresso. Agora sim já temos um bom motivo pra trazer todo mundo pro twitter, podemos falar: “Não tá no twitter?! Viu?! Perdeu a briga do Tas com o Mainardi…”.

ps.: Peço desculpas aos meus leitores por estar postando na quinta-feira e não na terça como de costume. Semana que vem voltamos à programação normal.

Tiradentes e São Jorge, mas e Cabral?

Na próxima quinta-feira, graças a uma lei antes municipal e agora estadual, será feriado no Rio de Janeiro. Dia de São Jorge sabia? São Jorge, grande herói nacional… Não, não… Segundo a wikipedia São Jorge é o santo patrono extra-oficial do Rio de Janeiro. No dia que faltar São Sebastião fica São Jorge no lugar, pelo que eu entendi.

Não me entenda mal, por favor. Eu gosto de feriados, mas acho interessante que eles tenham motivo. E esse feriado especificamente até me incomoda. No dia 21 de Abril o Brasil relembra com saudades seu grande herói Tiradentes e dia 23 o Rio de Janeiro parará por conta da degolação de São Jorge (ele foi degolado, você não sabia?). Só que dia 22 de Abril relembraremos o descobrimento do país, mas trabalharemos normalmente! Como assim, Bial?

praia paradisíaca pra ir no feriado
No dia de São Jorge você vai poder ir à praia. No Dia do Índio não.

Neste ano o feriado do dia 23 vai me incomodar ainda mais, porque ele cai numa quinta-feira, enquanto o do dia 21 será numa terça, ou seja, a maioria das pessoas não vai saber nem que dia enforcar. Será provavelmente a segunda-feira, afinal enforcamento merecidamente tem que estar perto de Tiradentes.

Eu sei que dificilmente o feriado deixará de existir. E também não é isso o que eu quero. Para se fazer justiça neste caso temos que transformar o dia 22 em feriado! É isso! Viva Cabral!

No próximo ano enforcaremos o dia 22, cai numa quinta-feira, fica mais fácil de decidir. Mas e as coisas importantes que estaremos ignorando nos dias 19 e 20? Dia 19 é Dia do Índio. Não deveríamos valorizar os nossos índios? Por que não um feriado? E dia 20 é o dia de São Teodoro. Se pregamos uma sociedade justa e igualitária deveríamos dar um feriado pra ele também, ora. Se São Jorge conseguiu o dele, por que não um pra São Teodoro também? Hein?

Se bem que o dia 20 de Abril é um dia cerimonial do fumo da maconha no Canadá e nos Estados Unidos. No Brasil é mais fácil arrumar um feriadinho por aí. Alô Gabeira! Olhai por nós!

ps.: Gostou? Terça-feira tem mais. É feriado né, mas vamos ver se eu consigo…